BIOGRAFIA

BIO

O Cinema Novo, que colocou o cinema brasileiro definitivamente no panorama mundial nos anos 60, surgiu com a proposta de mostrar a realidade brasileira e seu povo na tela e promover uma revolução estética. Nelson Pereira dos Santos, um dos maiores cineastas brasileiros de todos os tempos e também desse movimento, escalou dois não-atores para sua obra-prima `Vidas Secas’, descobrindo duas pequenas jóias: ele, o saudoso Jofre Soares; e ela, a majestosa Maria Ribeiro, que eternizou a fiel companheira e grande matriarca Sinhá Vitória.

Maria Ribeiro espantou a todas as platéias, inclusive as internacionais, com sua presença arrebatadora em ‘Vidas Secas’, em 1963. Era seu primeiro filme, onde fazia uma dobradinha perfeita com o ator Átila Iório. Maria Ribeiro foi descoberta por Nelson Pereira dos Santos no Laboratório Líder, um dos QGs dos cinemanovistas, onde trabalhava como técnica. Dá-se início então a sua carreira de atriz em filmes importantes como no inesquecível ‘A Hora e a Vez de Augusto Matrága”, de Roberto Santos, no tropicalista e alegórico `Os Herdeiros’, de Carlos Diegues, e no sensível ‘Perdida”, do grande Carlos Alberto Prates Corrêa.

Maria Ribeiro voltaria a trabalhar com Nelson Pereira dos Santos mais duas vezes: em “O Amuleto de Ogum’ e ‘A Terceira Margem do Rio’. Depois de morar durante um tempo na Suíça, ela retorna ao Brasil e é convidada por Nelson para participar do último filme citado, ‘A Terceira Margem do Rio’, um mergulho do cineasta na obra de Guimarães Rosa.

Source: http://www.mulheresdocinemabrasileiro.com/site/mulheres/visualiza/297/Maria-Ribeiro/3

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>